sexta-feira, 23 de março de 2018

Pela humanidade

Vivemos num mundo que foi pouco a pouco acostumando-se a ouvir sobre as mais diferentes tragédias e mortes enquanto almoça ou janta em frente a televisão. Algumas vezes, logo que entrei no curso de jornalismo, vi professores e colegas comentando do sensacionalismo e do quanto determinadas matérias abalavam e como elas eram editadas para serem logo esquecidas. Ou seja, depois de uma notícia triste sobre a morte de alguém (coisa que deveria causar comoção!) vinha uma notícia de esportes ou sobre um show na cidade. Logo a primeira notícia perdia força e era esquecida! Esta era a forma como se determinava a edição de um telejornal por exemplo. Salvo quando aconteciam grandes tragédias e a cobertura jornalística massacrava familiares, amigos e até vítimas com perguntas e entradas ao vivo. Tanto se buscava que saturava-se (satura-se) os horários da programação com incontáveis inserções da mesma tragédia, às vezes sem nenhuma novidade.
Graças a Deus não me contaminei com esta banalização! Não consigo compreender que as pessoas se conformem com as barbaridades que ocorrem ou que pensem que "ah! isso é normal naquele lugar!". Não é normal pessoas serem metralhadas num carro porque faziam bem o seu trabalho como representante do povo. E também não é normal uma pessoa ser esfaqueada ou levar um tiro porque não quis entregar a bolsa ou o celular. SIMPLESMENTE NÃO É NORMAL! Não é normal uma gestante ter que fazer parto de emergência porque foi vítima de uma bala "encontrada". É sim, bala encontrada. Não existe bala perdida quando esta encontra o corpo de alguém e ceifa a vida de uma pessoa. Não é normal ter tiroteio na esquina, na frente, na rua de trás ou no bairro que a gente mora. Não é normal nem aqui em Pelotas e nem em nenhum outro lugar, nem no Rio, nem em São Paulo e nem em Porto Alegre. Em lugar nenhum a gente pode crer que é normal.
Não é normal sabermos e vermos notícias de jovens com todo o potencial e vida pela frente simplesmente desistirem de lutar. Não é normal uma criança de sete anos sair pra ir para a escola e sumir. Não é normal!
A gente precisa se comover sim com estas coisas. Precisa se mobilizar e até chorar, porque não é a nossa dor particular, mas é a dor de centenas de pessoas iguais a nós. Podia ser a nossa dor! Podia ser a dor da nossa mãe! Gente não consigo compreender que as pessoas achem que é só uma coisa cotidiana que aconteceu em Rio Grande, que amanhã depois vai acontecer em Morro Redondo e que vai acontecer em outros lugares porque as coisas são assim.
A gente precisa simplificar nossa forma de viver, diminuir o passo, ouvir quem está a nossa volta, amar, cuidar das coisas que gostamos. Precisamos ser simples, mas não podemos fazer destas tragédias coisas sem importância. Porque simples não é a mesma coisa que não ter importância. Seria muita falta de senso! Seria desvalorizar a vida demasiado! É óbvio que eu não preciso desmerecer a Marielle para reclamar justiça para o filho de um conhecido que foi morto num assalto. É evidente que a médica e tantas outras pessoas que perderam suas vidas em assaltos, em acidentes de trânsito causado por irresponsáveis que abusaram da bebida ou da velocidade merecem respeito, comoção e protestos. Mas para isso eu não preciso dizer que eles não estão recebendo o que lhes é devido  porque não é político, ou porque não tem certa religião ou cor da pele. A gente tem que aprender a unir as coisas e dizer que o que aconteceu com fulana é inaceitável e o que aconteceu com ciclana também. Porque na verdade tudo está ligado!
Ainda bem que temos o exemplo da Marielle e tivemos tantos outros como Doroty Stein, Chico Mendes, Gandhi, Madre Tereza que lutaram pelos outros, lutaram por um mundo melhor. Temos várias outras pessoas que estão nesta luta. O momento é nos engajarmos, é darmos as mãos a elas. O momento é de unir forças pelo bem maior! Mas para que isso aconteça temos que colocar nosso orgulho e vaidade de lado, colocar o nosso umbigo em segundo plano e pensar na coletividade. Pode não ser fácil, mas temos e podemos começar agora.  Pela humanidade, por nós!Vamos?

sexta-feira, 9 de março de 2018

Cardápio da primeira semana sem carboidrato à noite

Esta semana foi de tentativa de aprimorar cardápios para a noite! Estou gostando bastante, embora algumas vezes um macarrãozinho e o arroz façam uma certa falta. Mas apesar de todo o vício de segunda até hoje fui bem, pois só comi carboidratos depois das 19h ontem, que foi dia internacional da Mulher e para comemorar meu irmão caçula fez a janta.

Janta de segunda feira 05/03
Basicamente aproveitei o que já tinha pronto em casa ou havia sobrado do almoço. No caso do jantar de segunda feira fiz uma salada de cenoura ralada, tomate e cebola e aproveitei um guisadinho que tinha sobrado do almoço. Para complementar de sobremesa comi uma banana com canela. Coloquei a banana com canela polvilhada por cima no micro por um minuto. Satisfação garantida para o começo da semana!
sobremesa do dia 05/03














Janta de terça feira 06/03
Na terça feira ao meio dia minha mãe fez um risoto de frango e sobrou molho de galinha com ervilhas e milho. O que eu adoro! De noite fui de saladinha de tomate, cenoura, repolho com linhaça e o molhinho do almoço, desta vez sem o arroz. A maçã é uma fruta que me dá um certo desgaste e quando estou com o estômago vazia não como, pois dá uma fome triplicada. Mas na terça aproveitei para comer uma maçãzinha com canela e cravos. Coloquei a fruta partida em 4 por um minuto no micro com um cravo fincado em cada pedaço e com canela polvilhada por cima. Ficou uma delícia!




Quarta feira eu tenho trabalho no centro espírita e estudo então chego por volta de dez da noite. Normalmente comia o que sobrava do jantar ou fazia uma torrada ou sanduíche para matar a fome. Como decidi não comer carboidratos depois das 19h esse cardápio teve que ser substituído. Apelei para a aveioca salgada.
A receita é muito simples duas colheres de aveia, quatro colheres de água. Deixa a aveia hidratar um pouco depois acrescenta um ovo e bate misturando com a aveia, coloca uma pitada de sal e algum tempero. Eu coloco orégano, alho líquido e um pouco de pimenta preta.  Aquece a frigideira e unta com um fio de azeite. Tenho que fazer assim pois não tenho frigideira anti-aderente. Nesta massa de quarta misturei cenoura ralada. Misturei bem e coloquei na frigideira quente. Deixei assar por baixo e virei. Depois rechiei com atum (de lata) tomate, cebola, queijo e orégano. Pode deixar aberta ou dobrar como um crepe.
Jantar de quarta 07/03

Na quinta feira como contei comemos uma massa pene com molho de peito de frango que foi levada ao forno com creme de leite e queijo. Jantei bem tarde! Tomei duas taças de espumante! Estava deliciosa a massa, mas não tirei foto. Uma pena!

Hoje não quis jacar de novo. Por isso vim pra casa fazer minha aveioca com recheio de queijo e presunto. Estou tentando evitar os alimentos processados, mas como tenho estes dois ingredientes em casa e não tenho intenção de jogar fora ou deixar estragar estou usando. Fechei de um jeito diferente a de hoje. Ficou bem gostosa. Comi dois cookies de sobremesa. Não era o ideal, mas...
Não costumo beber nada durante a refeição. Antes de dormir sempre tomo um chá morno!

Jantar de sexta 09/03

Uma coisa que acho bem importante é variar as frutas e legumes nas refeições para que possamos adquirir o máximo de nutrientes e vitaminas. Algumas coisas eu realmente como todos os dias ou quase todos, tipo:  banana, o arroz e o feijão dupla imbatível do almoço, cenoura, tomate e cebola. Sigo as medidas indicadas pela nutricionista que consultei há anos. E é possível que já estejam defasadas, mas me sinto bem saciada se como de três em três horas. Evito pular refeições, porque do contrário desconto na próxima e isso é o horror! Normalmente não tenho vontade de comer doces. Agora, se sentir cheiro de chocolate estou perdida! hahaha
Não bebo sucos e nem refrigerantes. Por outro lado gosto de uma cervejinha gelada! Diminui bastante há alguns meses. Evito beber durante os dias úteis da semana e tento beber pouca quantidade por questões da dieta e porque não tenho sentido muita vontade mesmo. Acho que é por causa da minha busca por trabalhar a minha espiritualidade. Mas de vez enquando bebo!
Os exercícios seguem firmes. Faço em torno de 40 minutos de bicicleta diariamente indo e voltando do trabalho. Nos dias que chego mais cedo faço aeróbica ou zumba em casa assistindo vídeos bem legais no youtube. Geralmente são entre 15 e 30 minutos.
Embora a balança ainda não tenha dito isso, duas pessoas me acharam bem mais magra nas últimas semanas. É tão bom ouvir isso!








segunda-feira, 5 de março de 2018

Toda mulher quer ser magra

Foto tirada em 08 de dezembro de 2017
A maioria das mulheres quer ser magra! Quase todas dizem que estão acima do peso e precisam perder de dois a três quilos. E pode bem ser verdade! Eu estou acima do peso "ideal" há vários anos. Olhando minhas fotos de adolescência e início da idade adulta me acho super magra, mas na época acreditava estar muito acima do peso. Deve ser porque minha altura é, ou melhor, era de 1,48m e o peso ideal para esta altura era de no máximo 50 quilos. Atualmente... com 40 anos de idade, um centímetro e meio a menos é algo bem difícil de se conseguir.  Há uns seis anos atrás fui a uma nutricionista para uma reeducação alimentar e consequentemente acabar com o sobrepeso que acabava com meus joelhos. Consegui chegar aos 57 quilos e a proeza de entrar numa calça 38, mesmo que por poucos meses.
Sempre sofri com o efeito sanfona! Uma verdadeira agonia, tal qual a de João Grilo, só que ao invés de "ficar rico e ficar pobre" eu fico magra e engordo. Até que com a reeducação consegui manter o peso por algum tempo, mas como não fazia exercícios regulares o peso não se manteve. Além disso, comecei a namorar uma pessoa que gosta de cozinhar e sua linha são massas, carreteiros, arroz com galinha e por aí vai. O resultado foi ganhar vários quilos!
Foto tirada de outro ângulo em 08/12/17
foto tirada em 26/02/2018
Ano passado engravidei e, estando acima do peso, com a gravidez ganhei mais peso ainda. Infelizmente perdi meu bebê e agora luto para eliminar pelo menos dez quilos.Meu compromisso comigo mesma agora é praticar exercício e manter uma alimentação saudável. Descobri que o tal jejum intermitente não funciona comigo. Pois sempre que sigo a dieta certinha e me alimento de três em três horas os ponteiros da balança caem e sinto nas roupas o corpitcho mais enxuto. Quando fico mais tempo sem comer isso não acontece. Hoje, segunda feira e dia oficial de começar a dieta recomecei com os exercícios em casa e vou me disciplinar para manter a dieta! Não costumo cortar nenhum tipo de alimento da minha dieta, não sou a favor do lowcarb e nem gosto do jejum, mas pretendo cuidar para não consumir carboidratos a noite.
Como dizia Emmanuel a Chico Xavier "disciplina, disciplina, disciplina!", esta é a chave para tudo, creio eu. Aliada aos exercícios e boa alimentação tenho usado para ir para o trabalho e outras voltas a bicicleta, o que ajuda muito no condicionamento físico e também a queimar as temidas calorias.
Farei relatos de como estou indo, das conquistas e do que foi eliminado.Também vou tirar fotos para ir acompanhando os progressos e compartilhar cardápios e receitas fit para o objetivo final. Espero que gostem e se inspirem. Cuidados que devemos ter: boa alimentação, saudável, colorida, variada e o mais natural possível. Procure ajuda de profissionais das áreas de nutrição, educação física e um médico para ter certeza de que a saúde está em dia e não há nenhuma contra indicação para os exercícios que pretende praticar e decidir qual tipo de dieta é a mais adequada.
Deixarei registrado meu  peso atual que é 71, 40 quilos. Além de observar o peso também observarei como ficam as roupas com o emagrecimento. As próximas fotos farei com as roupas das que postei aqui. Vamos lá?

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

O senhor tempo

Sou uma pessoa que adora ditados populares e algumas frases feitas. Tá certo que é clichê e um tanto brega, mas né, fazer o que se minha veia brega fala mais alto do que as veias cults?! Não considero o termo brega como pejorativo, mesmo que muita gente use com este intuito. Eu pego o brega e transformo, pois entendo na essência dele a presença do amor, do drama, do exagero, do romance e de todo um clima em volta daquilo. Uma peça decorativa pode ser brega, mas ela guarda um apego não ao objeto em si, mas a todas as lembranças que ela remete. Por isso nunca considerei o brega como uma pecha e sim como um lado mais apegado a lembranças e coisas românticas.
Noutro post falarei sobre a brega que vive em mim!
Hoje vou falar do tempo! Mais especificamente da compreensão que ele nos dá, da necessidade de deixarmos ele correr para que consigamos alcançar este entendimento. Por isso começo falando do velho ditado, ou seria conselho?! "Dê tempo ao tempo". Parece redundante parece a primeira vista, além do que, como que se dá tempo ao tempo?
A gente demora um pouco pra aprender como fazer isto.  Na infância somos afoitos queremos esgotar o tempo com inúmeras brincadeiras, na adolescência é fazendo tudo, aproveitando ao máximo, é querendo ser adulto logo, na vida adulta queremos controlar o tempo para usá-lo da melhor maneira possível, sem desperdício porque tempo é dinheiro. Mas quando chegamos na velhice percebemos que não dá pra controlar o tempo, que devemos aproveitá-lo ao nosso favor. Deve ser por isso que vamos ficando mais lentos, mais sábios pelas experiências vividas. Foi observando isso que compreendi o que é dar tempo ao tempo. Em outras palavras é deixar o tempo trabalhar, deixá-lo passar transformando todas as coisas.
Transformando a gente mesmo. Comecei a escrever este texto na sexta e hoje, quando devo encerrar, recebi um áudio justamente falando do tempo, nos convidando a refletir sobre como lidamos com o tempo.
Eu acho que nunca fui muito afoita para fazer tudo logo, para o tempo passar. Lembro que todos diziam que depois que se faz 15 anos o tempo passa ainda mais rápido. Aquilo ficou marcado e nas vésperas dos meus quinze anos eu pensava e pedia que o tempo passasse bem devagar. Óbvio que passou no tempo que tinha que passar, mas tudo é  percebido conforme a situação ao nosso redor. Quando temos um dia cheio de atividades parece que o tempo passa voando. Quando não temos quase nada ou nada para fazer e o tédio toma conta, aí parece que o relógio se arrasta não é?
O interessante de tudo isso é que realmente "o tempo é o melhor remédio" (eu disse que gostava de ditados!). Para curar as dores da alma, do coração só esse sábio senhor chamado tempo. Ele não só nos ajuda a curar essas dores com a compreensão dos porquês, ele também traz respostas, mostra caminhos e ajuda a nos aperfeiçoar através das experiências que vamos tendo ao longo do caminho. É assim na natureza, é assim com a gente também. E aprendemos tanto com ele que acabamos diminuindo o ritmo para aproveitar o tempo.
Como eu disse nunca fui muito apressada agora aos 40 estou um pouco mais tranquila nesse sentido. Aproveito os momentos com as pessoas que me cercam. Sim, me dou ao luxo de "perder" tempo brincando com meus sobrinhos ou jogando conversa fora com minha vó, meus pais ou minhas tias. Não deixo de ir a um encontro com minhas amigas mesmo que isso signifique um pouco menos de sono. Estar com as pessoas de quem gosto é o melhor investimento de tempo. Isso sabemos desde crianças é pena que às vezes na correria do trabalho deixemos de lado.
Comecei este texto falando do tempo por causa da partida recente de pessoas queridas para o plano espiritual. Fiquei preocupada com minha mãe, pois ela ficou muito triste. Dei tempo, pois o luto é muito importante é o tempo de acolher a dor, de ficar triste e chorar. Aos poucos a tristeza vai dando lugar a saudade boa dos momentos vividos com aquelas pessoas e só as lembranças boas voltam a nossa mente. É claro que algumas vezes iremos chorar de saudade, mas é o tempo que ameniza a dor. É ele que fecha a ferida. Minha mãe está melhor, está ocupando suas horas com atividades que lhe dão prazer e isso lhe faz muito bem. Já passou algum tempo e isso demonstra que ele realmente ajuda a curar tudo.
É esse senhor, tempo que sabe das coisas vamos aprender com ele. Não tenhamos medo, não lutemos contra, usemos ele a nosso favor. Afinal "há
tempo para tudo!"

Imagem: Google

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Pedalando

Hoje faz dois anos que decidi usar a bicicleta como meio de transporte para vir ao trabalho, fazer minhas vendas e entregas e até dar uns passeios. É uma ótima alternativa, mas Pelotas tem temporadas de muita chuva e daí a bike fica em casa. Uma coisa é certa quem sabe andar de bicicleta não esquece. Claro, saí meio desequilibrado, dói as pernas nas primeiras pedaladas, subir uma ladeira é fogo (isso que por aqui tem pouquíssimas), mas tudo é questão de seguir pedalando.
Aprendi a andar de bicicleta na rua da casa onde cresci no Jardim Europa. Para aprender eu caí sim. Mas o Flávio, que me ensinou um pouco, era bem louco e não me deu chance de chorar, nem reclamar, foi curto e grosso me mandou levantar e tentar de novo. Daquele dia em diante eu comecei a pedalar. Foi pouco, porque minha caloi vermelha passou pro meu irmão e depois eu ganharia outra bicicleta, que nunca veio porque daí perdi o interesse de pedalar e a preguiça me pegou.
Sempre que precisava de uma bike pedia a do mano emprestada, que na época era daquelas de fazer manobras e tals, não lembro o nome. hahaha Mas eu ia aonde era preciso e sempre tinha um engraçadinho pra pedir que eu levantasse a roda! Esse período foi na adolescência e depois disso nunca mais andei de bicicleta mesmo. Tentei andar na do João Vítor lá fora, mas não tinha condição. Até que trouxe a bicicleta da Larissa pra cidade e comecei aos poucos a pedalar. Minha mãe achava que eu não devia porque poderia ser atropelada, ou atropelar alguém. hahaha Graças a Deus não aconteceu nenhuma das duas.
Meu treinamento começou no Humuarama, eu pegava a bicicleta e pedalava do meu condomínio até lá, ia até o fundo e voltava. Dava uns 15 minutos e foi muito bom pra eu reaprender a me equilibrar, desviar, cuidar os carros e as pessoas. Como era pouco movimento foi super tranquilo. Depois disso comecei a pedalar mais longe, até decidir vir para o trabalho. Confesso que no meio desse monte de carros que tem em Pelotas fiquei apreensiva, mas vou pedalando no meu tempo, devagar e sempre. O primeiro ano não foi de muita frequência no pedal, mas depois a coisa foi engrenando.
Tem muitas vantagens usar a bicicleta é prática e mais rápida que caminhar ou esperar o ônibus. Ajuda a tonificar as pernas, queimar umas calorias, faz bem pro corpo todo e pra cabeça também. Não polui o ar! E pode ser feito em grupo ou sozinho! Ajuda no senso de direção, lateralidade, estas coisas.
É pena que pedalar em dia de chuva e muito frio é ruim, mas estou seriamente pensando em comprar uma capa, mas isso é outra coisa.
Agora estou comemorando os dois anos que estou pedalando mais assiduamente.
A prefeitura fez algumas ciclofaixas, mas ainda faltam bastante, sem contar que algumas foram entregues há apenas alguns meses e já estão deterioradas, como é o caso da Domingos de Almeida. Outras estão tão esburacadas  que tem quem prefira pedalar na rua. Ainda falta um pouco de simpatia dos motoristas. E falta educação do trânsito de todos os lados, motoristas, pedestres e ciclistas. Quem sabe um dia a coisa melhore. O importante é que quem quer pedalar por aí seja prudente.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Meu super herói favorito

Ás vezes acho que não sou normal, graças a Deus! hahahaha Meu herói favorito sempre foi e será o Hulk, tá certo que o Thor é gato e o capitão América interessante e o homem de ferro seria uma ótima parceria para um goró, mas o Hulk é outra coisa e agora, sendo interpretado por Mark Ruffalo não tem pra ninguém! Além disso, Hulk e David Baner são amores antigos! É, desde a época em que eu assistia a série na tevê e não existiam tantos recursos gráficos pro cara ficar gigante. Concordo que é um tanto estranho a transformação rasgar toda a roupa menos a calça da cintura até o joelho, e depois, na volta de Baner ao seu corpitcho  ele aparecer peladão! Mas aceito que a sociedade ainda não está preparada pra encarar, seja no cinema ou no gibi, um gigante verde com o pingulinho balançando enquanto foge do exército que quer o matar ao mesmo tempo que luta contra o crime!
Teve gente boa interpretando o Hulk, eu até admito! Eric Bana e Edward Norton são interessantes, mas né... Ruffalo é bom ator faz comédia, filme de suspense, ação, é bonito, é engajado, enfim!
Eu disse antes que o incrível  Hulk é meu herói desde que me conheço por gente e é a pura verdade! Eu batizei um urso de pelúcia que minha dinda Sandra me deu com o nome de David por causa do Hulk (o da série que eu assistia na televisão, possivelmente em preto e branco!).  Eu era tão fissurada que meu tio Lauro me deu uma camiseta do super herói no meu aniversário de 4 anos. E foi a única camiseta de herói que tive na vida! Ainda bem que tenho foto hahaha
Sempre entendi que a transformação do Hulk acontecia porque ele ficava muito irritado com as injustiças e com a perseguição. Uma coisa que sempre me chamou atenção é que o David tentava com todas as forças não deixar o Hulk sair. Ou seja, ele tentava manter a harmonia e o equilíbrio, mas não conseguia. Existia uma luta interna entre o ser racional, equilibrado e o ser mais primitivo que agia impulsiva e agressivamente na tentativa de se defender ou defender outras pessoas. Muitas vezes nós passamos por isso. Ficamos repetindo mantras do tipo "não vou me irritar, não vou me irritar" e basta um momento de invigilância lá vem o grandão interior dando sopapos a torto e a direito.
Hoje, espírita que sou tento seguir o exemplo do David (fazendo uma vigilância mais pesada!) pra não me transformar numa fera verde de revolta. Entendo o cientista como um discípulo de JC que ainda não atingiu a elevação e acaba perdendo a luta interna para o Hulk. Aliás, sempre o entendi dessa forma, por isso ficava tão triste por ver ele ter que abandonar o lugar que estava por causa daquela perseguição ao verdão. Eu pensava sempre, coitado, ele não queria causar todo esse estrago! O David sempre luta para o Hulk não sair, mas ele acaba saindo e causando muita destruição. E quando o cientista vai embora da cidade em que está é a metáfora do recomeço. É aquela velha história deu errado essa tentativa, mas não posso parar tenho que tentar de novo. Então ele vai lá e recomeça, noutra cidade, com outras pessoas.
 Eu também sempre luto contra a irritação, a impaciência e etc. Nem sempre consigo, mas não paro de tentar, um dia a gente chega lá. Sempre podemos recomeçar, acertar o passo, basta querer e agir!
Como disse lá no início, não sou muito normal não e sempre encontro alguns indícios de cunho espiritual em todas as obras que leio ou assisto. É, não sei porque fico assistindo os filmes e pensando que tem uma outra mensagem além da que tá explícita!
Na minha busca espiritual estou numa caminhada bem devagar. Olhando para trás acredito que consegui dar alguns passos e melhorei em alguns aspectos. Mas tenho a plena consciência de que tenho muito chão pela frente.

Imagens do Google

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Começar de novo

Faz uns quatro meses que não escrevo e não é por falta de assunto, pelo contrário. É tanta coisa de que quero falar, tantos assuntos interessantes, mas a desorganização do meu tempo não me permite. Sim, sou organizada em quase tudo, menos no tempo. Chego atrasada em compromissos e acho isso muito chato! Quanto mais cedo acordo mais me atraso! É fora do meu controle consciente! Mas este ano quero mudar isso e uma das minhas metas é para este cantinho que amo escreve duas vezes por semana. Vou começar determinando que escreverei nas terças e sextas. Vou anotar, afinal todos os coach's dizem que pra gente fazer algo tem que colocar no papel, então, tá aí.
Como contei pra vocês tive um aborto espontâneo em agosto e isso mexeu muito comigo. Hoje estou bem e consigo falar e pensar em tudo com muito mais tranquilidade. Sempre penso que, o que tem que acontecer acontecerá, independente das dificuldades ou voltas que precise dar até chegar aonde tem que chegar. Sim determinamos nossos caminhos através de nossas escolhas, mas tem algumas coisas que estão pré determinadas e não tem como fugir. Uma época eu cheguei a pensar que não podia ter filhos, pois embora sempre tenha me preservado, nunca usei por muito tempo métodos como a pílula tida com um dos mais seguros. E quanta gente teve problemas com a camisinha furada?? Comigo nunca aconteceu. Agora este problema sei que não tenho. No entanto, tem a idade e os receios dos riscos de uma gravidez nesta idade que já me disseram é de risco. Por enquanto vamos levando. Afinal, o que tiver de ser será!
Além desta perda outras duas me causaram imensa tristeza que foi a partida do meu tio Guinho em final de agosto e da minha tia Semita em outubro. Não vou rotular 2017 como um ano ruim, não gosto de fazer isso. Mas foi, com certeza, o ano com mais partidas que já passei. Muitas pessoas conhecidas e próximas desencarnaram. Jovens, mães, filhos, pais, tios, irmãos, velhos, mais ou menos, pessoas amadas que deixam saudade profunda, mas que estão noutro plano, livres do envoltório carnal e com certeza se preparando para uma próxima encarnação num planeta de regeneração. É, é como aquele colega que está um ano a nossa frente na escola, ele passa para o próximo nível e precisa mudar de colégio, mas seguimos ligados pelo laço mais forte que existe que é o do amor.
Seguimos nossa caminhada! Até breve é o que dizemos aos nossos entes queridos. A dor da tristeza vai aos poucos dando lugar a saudade e com o tempo a saudade traz lembranças boas e menos dolorosas!
Então, hoje recomeço aqui no blog e recomeço na tentativa de organizar meu tempo ou de me organizar no tempo. Torçam por mim!

Foto: Google imagens