sexta-feira, 12 de março de 2010

Não corro nem pra pegar ônibus!

Sempre que digo isto as pessoas ficam me olhando meio assim, desconfiadas, como que pensando, que mulher maluca! Mas eu não corro mesmo, me recuso terminantemente a correr seja por qual motivo for. Tá, se vier rolando uma pedra imensa que nem aquela do filme Indiana Jones acho que aí eu corro, mas vai ser por um instinto de sobrevivência.
Porque me recuso a correr?! Não sei direito, mas lembro que desde criança nunca gostei de brincadeira de pegar. Achava um saco ficar correndo atrás dos outros só para depois fazer com que eles corressem atrás de mim e assim sucessiva e cansativamente. Até que jogava futebol com meu primo, mas o espaço era restrito onde fazíamos o nosso "campo". Pra falar a verdade... nunca fui muito chegada, e ainda não sou, em esportes. Nada de voleibol, coisa que as gurias da minha idade adoravam, handebol ou seja lá qual bol mais possa existir.
Não costumava pular corda e o negócio de pular elástico não dava muito certo comigo, porque minhas pernas sempre foram bem curtas. hahaha Mas correr era de todas as modalidades a mais detestada por mim.
Logo que entrei na adolescência dei uma inflada básica. Coisa assim de ter aumentado uns quilinhos assim na região dos peitos e na dos quadris. Meu pai costumava correr pela manhã, e preocupado comigo resolveu que eu ia correr com ele. Daí já viu né? Juntou duas coisas da qual não me agrado muito, acordar cedo e correr. Jura!? Eu o acompanhei algumas vezes, mas caminhando.
No primeiro grau eu roubava um pouquinho quando o professor de educação física mandava correr em volta da quadra de futebol. Isso porque ele ficava perto. Mas no segundo sim. Eu roubava muito! Quando a Eliete, professora de educação física do CAVG, mandava a gente correr e me dizia que eu tinha que ir porque era gordinha, aahhhh! eu saia correndo... de perto dela. E ao chegar uns metros mais a frente, onde ela não me via mais, começava a caminhar. E isto sempre era assim. Não corro mesmo!
E agora que estou na casa dos inta... bem, agora mesmo é que não corro. Se precisar caminhar, caminho. Vou aonde for preciso desde que caminhando. Numa boa. Nada de correr! Andar de bicicleta também não gosto muito. Mas ainda fico mais feliz do que se tiver que correr meia quadra.
Tá certo, sou gordinha mesmo, admito! Mas prefiro gastar meu tempo e queimar calorias com as aulas de dança e caminhadas.Pressa e correria são duas coisas da qual não gosto e não acelero meu tempo não. Pode me chamar de lerda, não tem problema, mas adotei pra mim a filosofia da tartaruga "devagar e sempre". E é ela quem esta certa, não ganha a corrida contra o coelho, mas vive mais de cem anos.

2 comentários:

Vaz disse...

...mas na fábula o coelho parou para dormir um pouco debaixo de uma árvore e a tartaruga ganhou a corrida!

Léli disse...

Valeu Vaz, não lembrava disso. Na verdade não lembrava do final da história, só lembrava que a tartaruga perdeu algumas vezes.
Obrigada pela lembrança.